Elas na Engenharia: projeto da USP atrai alunas da rede pública para as exatas

Elas na Engenharia: projeto da USP atrai alunas da rede pública para as exatas

Estudantes de São Carlos aprendem conceitos básicos de Engenharia Elétrica, Mecânica e Computação com docentes da EESC

Uma iniciativa promovida pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP quer estimular jovens alunas da rede pública da cidade a optarem por carreiras na área de ciências exatas, com ênfase nas engenharias. O objetivo é reduzir a desigualdade de gênero que ainda é presente em cursos superiores nesse campo de atuação, majoritariamente masculino.

Batizada de “Elas na Engenharia”, a iniciativa terá duração de seis meses, período em que as jovens serão desafiadas a desenvolverem soluções tecnológicas que possam melhorar problemas da sociedade. Para ajudá-las na missão, especialistas e professoras da EESC darão aulas e orientações para que elas possam se aprofundar em três frentes de trabalho: computação, por meio do desenvolvimento de aplicativos; mecânica, com foco na elaboração de objetos em três dimensões; e eletrônica, área em que as participantes terão que criar um circuito eletrônico.

Além das aulas, as meninas podem explorar a infraestrutura e o ambiente da USP, utilizando laboratórios, participando de atividades extracurriculares, além de conversarem com mulheres que atuam e estudam na área de engenharia, facilitando o esclarecimento de dúvidas sobre os cursos e suas respectivas carreiras. Para participar do projeto foram selecionadas 30 alunas das escolas estaduais Dr. Álvaro Guião e Prof. José Juliano Neto, ambas de São Carlos.

O Projeto “Elas na Engenharia” nasceu de uma parceria entre professoras, funcionárias e pesquisadoras da EESC, sendo contemplado no 4º edital SANTANDER/USP/FUSP de Fomento às Iniciativas de Cultura e Extensão da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP (PRCEU). Realizada pela EESC, a atividade conta com o apoio do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Sistemas Autônomos Cooperativos (InSAC).

Conheça no vídeo produzido pela EESC algumas participantes do Projeto e confira os depoimentos de docentes que acompanham de perto a atuação das alunas.

Texto e foto: Henrique Fontes – Assessoria de Comunicação do SEL/USP

 

Mais Informações
Página do Projeto no Facebook: https://www.facebook.com/elasnaengenharia/
Assessoria de Comunicação do SEL/USP
Telefone: (16) 3373-8740
E-mail: comunica.sel@usp.br

Os jovens líderes da EESC

Os jovens líderes da EESC

Três alunos da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP estão entre os 10 estudantes brasileiros selecionados para participar do Cargill Global Scholars Program (CGSP), iniciativa internacional que capacita jovens com potencial de liderança no futuro. Por meio de seminários, orientações individuais, estudos de caso, eventos de networking e outras ações, o Programa visa desenvolver habilidades de pensamento crítico nos participantes, além de formar uma rede global de estudiosos e ajudá-los a ser a próxima geração de inovadores do mundo.

Oferecido pela empresa Cargill, em parceria com o Instituto de Educação Internacional (IIE), o CGSP seleciona 10 estudantes de cada país habilitado a concorrer no Programa. São seis no total: Brasil, China, Índia, Rússia, Indonésia e Estados Unidos. Os candidatos devem possuir bom desempenho acadêmico, estudar em áreas de interesse da Cargill e enviar cartas de apresentação pessoal e recomendação. Se forem aprovados nessa etapa, os estudantes devem ainda passar por uma entrevista. Os selecionados recebem uma bolsa de estudos, tutoria mensal de carreira e participam de atividades nacionais e internacionais.

No vídeo abaixo, você confere um pouco sobre os três estudantes da EESC que embarcaram nessa experiência: Bruno Alcântara (Engenharia de Produção), Mayara Cruz (Engenharia Mecatrônica) e Pedro Natali (*Engenharia de Computação). Eles falaram sobre como começou a relação de cada um com a liderança, quais as principais virtudes de um líder, o que esperam liderar no futuro e ainda deram dicas para jovens que pensam um dia em comandar uma grande equipe.

* Curso oferecido em parceria com o Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC)

Texto: Henrique Fontes – Assessoria de Comunicação do SEL/USP

Mais Informações
Assessoria de Comunicação do SEL/USP
Telefone: (16) 3373-8740
E-mail: comunica.sel@usp.br

Dinâmica, controle e aplicações: participe da Dincon 2019

Dinâmica, controle e aplicações: participe da Dincon 2019

A XIV Conferência Brasileira de Dinâmica, Controle e Aplicações (Dincon), que acontece entre os dias 25 e 27 de novembro, na USP, em São Carlos, traz uma programação repleta de atrações. Ao todo, serão realizadas seis plenárias, 12 sessões técnicas, cinco mini simpósios, dois minicursos, além de três sessões de pôsteres. De perfil inter e multidisciplinar, o evento tem por objetivo proporcionar um ambiente favorável à interação entre engenheiros, matemáticos, físicos, químicos, biólogos e outros profissionais que tenham interesse no desenvolvimento de teorias não tradicionais de dinâmica e estratégias não convencionais de controle, bem como suas aplicações em ciência e tecnologia.

Para participar das atividades, basta se inscrever no site oficial do evento. A conferência é organizada pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC), ambos da USP, e pelo Instituto Federal da Bahia (Eunápolis). A programação completa, com os horários e locais das atrações, pode ser acessada neste link.

Texto: Assessoria de Comunicação do SEL/USP
Com informações de Assessoria de Comunicação da EESC
Imagem: Adaptação de Divulgação

 

Mais informações
Organização da DINCON 2019
E-mail: dinconusp2019@gmail.com

Trabalho de iniciação científica da EESC é publicado em revista internacional

Trabalho de iniciação científica da EESC é publicado em revista internacional

Artigo escrito por Guilherme durante a graduação foi publicado em revista internacional. Foto: Henrique Fontes/SEL

Publicar artigos científicos em revistas internacionais faz parte das responsabilidades que um aluno de mestrado ou doutorado possui durante o período em que realiza sua pesquisa. Por outro lado, quando o assunto é iniciação científica (IC), não é comum esperar que um estudante de graduação se preocupe com tal tarefa, afinal, ele está apenas iniciando seu contato com o universo da ciência.

No entanto, um ex-aluno do curso de Engenharia Elétrica da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP resolveu romper com esse paradigma. Após finalizar sua iniciação científica na área de fotônica, Guilherme S. Arruda conseguiu publicar, como autor principal, um artigo na IEEE Journal of Photovoltaics, importante revista norte-americana. O feito foi comentado por seu então orientador Emiliano R. Martins, professor do Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação (SEL) da EESC: “Em geral, um aluno de iniciação científica desenvolve parte de uma pesquisa como forma de treinamento, por isso que a publicação científica em revistas de alta reputação, como a que aceitou o artigo do Guilherme, é algo muito além do que se espera de um trabalho realizado na graduação”, afirma o docente.

A publicação do ex-aluno ganha ainda mais destaque se levarmos em consideração que um graduando, diferentemente de um estudante de mestrado ou doutorado, não possui dedicação exclusiva à pesquisa, uma vez que ainda está realizando seu curso. Emiliano revela que o processo de publicação é complexo e o trabalho passa pela análise e revisão de renomados cientistas da área. Durante o procedimento de submissão, o estudo recebe críticas, requerimento de alterações e, muitas vezes, os revisores demandam a produção de outros resultados que corroborem os argumentos e conclusões do trabalho. “É bem mais comum que o artigo seja recusado do que aceito”, diz o professor, que considera a publicação científica o ápice da atuação de um jovem pesquisador, pois certifica a produção de algo inédito.

A experiência de realizar iniciação científica proporcionou a Guilherme uma bagagem valiosa e contribuiu para uma formação mais completa. “Eu amadureci muito e tive contato, de forma bem mais detalhada, com uma área que eu gostava. A gente se torna mais independente, lê bastante e acaba aprendendo muitas coisas além do curso. Todo o processo de autoconhecimento e autoaprendizagem pelo qual eu passei durante a IC me ajudou a ter um entendimento melhor de algumas disciplinas”, explica o ex-aluno, que hoje faz mestrado no SEL. Seu trabalho também foi reconhecido pela própria Universidade, quando, em 2018, recebeu menção honrosa no Simpósio Internacional de Iniciação Científica e Tecnológica da USP (SIICUSP). A conquista lhe conferiu o direito de apresentar seu estudo na Ohio State, em Columbus, nos EUA, onde passou uma semana. “Muitas portas se abrem”, completa.

A pesquisa – Em seu trabalho, Guilherme analisou alternativas para aumentar a eficiência de painéis fotovoltaicos, que são produzidos a partir de cristais de silício e absorvem até 70% da luz solar que incide sobre a sua superfície. O desafio que engaja pesquisadores de diversos países do mundo é encontrar estratégias que tornem essas plataformas cada vez mais sustentáveis e com maior capacidade de gerar eletricidade. Partindo deste princípio, o ex-aluno conseguiu “modificar” a superfície da estrutura de silício utilizada em painéis solares, fazendo com que ela, praticamente, não refletisse a luz do sol, absorvendo 99% da iluminação incidente. Com isso, a geração de energia elétrica poderá aumentar consideravelmente.

Estudante da USP modificou a superfície da estrutura de silício que compõe os painéis fotovoltaicos para aumentar a absorção de luz solar. Foto: Guilherme Arruda.

Ao longo do período em que realizou IC, o pesquisador passou quatro meses na Universidade de York, da Inglaterra, local onde realizou a parte experimental de seu trabalho, teve contato com a fabricação de células solares, acompanhou como é o dia a dia do grupo de pesquisa local e ainda foi coautor de um artigo escrito por uma cientista da Instituição. Até hoje, a iniciação Científica segue contribuindo para a caminhada de Guilherme na esteira da pesquisa, pois, em seu trabalho de mestrado, ele consegue aproveitar algumas técnicas aprendidas na IC: “Por já estar inserido no tema e ter feito uma revisão bibliográfica sobre o assunto, o trabalho fica menos complexo. Com a bagagem adquirida, é possível antecipar algumas etapas”, explica o pesquisador, que teve seu primeiro contato com a ciência durante o intercâmbio que realizou na Technische Universität Braunschweig, da Alemanha, por meio do extinto Programa Ciência sem Fronteiras.

Após ter conquistado tamanha notoriedade, o jovem reconhece que o trabalho foi desgastante, mas que ver seu artigo publicado em uma revista internacional fez valer todo o empenho: “É muito gratificante saber que outras pessoas vão ler seu trabalho e, inclusive, poderão utilizá-lo de alguma forma. É como se você fizesse um produto e entregasse ao público. É uma criação sua, a qual você sempre tratará com carinho”, finaliza.

Ficou interessado em fazer IC na EESC? Então confira todas as orientações no site da Escola e descubra como participar!

Texto: Henrique Fontes – Assessoria de Comunicação do SEL/USP

 

Mais Informações
Assessoria de Comunicação do SEL/USP
Telefone: (16) 3373-8740
E-mail: comunica.sel@usp.br