Pesquisa do SEL conquista Prêmio Tese Destaque USP

Pesquisa do SEL conquista Prêmio Tese Destaque USP

Lucas (à esquerda) e Marcelo receberam Prêmio Tese Destaque USP. Foto: Henrique Fontes/SEL

A tese de doutorado Redução da dose de radiação em tomossíntese mamária através de processamento de imagens”, defendida no Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação (SEL) da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP, recebeu o Prêmio Tese Destaque USP de 2019, na categoria Engenharias.

O trabalho é de autoria de Lucas Rodrigues Borges e foi orientado pelo professor Marcelo Andrade da Costa Vieira, por meio do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica da EESC. No estudo, os pesquisadores criaram uma técnica capaz de restaurar imagens de mamografia 3D obtidas com até 30% a menos de radiação, mantendo a qualidade do exame. O autor do trabalho receberá um prêmio no valor de R$ 10 mil, enquanto o orientador, R$ 5 mil.

A pesquisa desenvolvida no SEL já havia sido reconhecida em dois grandes eventos científicos da área de Engenharia Elétrica. O primeiro foi The 13th International Workshop on Breast Imaging, realizado em 2016, na Suécia, onde o trabalho foi considerado um dos cinco melhores da conferência. Já em 2017, um artigo apresentado por Lucas ficou com o prêmio de segundo lugar na SPIE Medical Imaging, realizada nos Estados Unidos. Em 2018, o trabalho de doutorado ainda recebeu menção honrosa no Prêmio Capes de Tese, promovido pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior.

O Prêmio Tese Destaque USP tem como objetivo estimular atividades de pesquisa dos alunos e professores da pós-graduação da USP, de forma a estimular a constante busca pela excelência na pesquisa. Os critérios da premiação consideraram a originalidade do trabalho, a relevância para o desenvolvimento científico, tecnológico, cultural, social e de inovação, além do valor agregado ao sistema educacional.

 

Texto: Assessoria de Comunicação do SEL/USP

 

Mais Informações
Assessoria de Comunicação do SEL/USP
Telefone: (16) 3373-8740
E-mail: comunica.sel@usp.br

Participe de curso sobre projetos e instalação de painéis solares

Participe de curso sobre projetos e instalação de painéis solares

O Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação (SEL) da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP receberá, entre os dias 22 de julho e 16 de agosto, as inscrições para a 4ª edição do Curso Solar Fotovoltaico, iniciativa que ensina profissionais a desenvolverem projetos de painéis solares no computador e a instalar esses sistemas em diferentes ambientes. Os interessados devem se inscrever diretamente pelo site da atividade.

O curso é dividido em dois módulos. O primeiro deles é o “Introdução a Sistemas Fotovoltaicos, Dimensionamento e Instalação”, que ocorrerá nos dias 23 e 24 de agosto. Os participantes irão aprender sobre o dimensionamento básico do sistema fotovoltaico; a leitura de mapas solarimétricos, que mostram a incidência de radiação em diferentes países; os procedimentos de instalação dos painéis fotovoltaicos; a ligação do sistema no quadro de força; os passos para a configuração na central de monitoramento e até mesmo as etapas para solicitar conexão à concessionária responsável pela distribuição de energia elétrica. Podem participar engenheiros, arquitetos, estudantes, técnicos, empreendedores e qualquer pessoa interessada em investir no ramo. O valor da inscrição é de R$ 500,00 à vista. Também pode ser paga em duas vezes de R$ 300,00 ou em três vezes de R$ 200,00.

Voltado a profissionais específicos do ramo de engenharia elétrica, o segundo módulo é o “Dimensionamento Avançado de Sistemas Fotovoltaicos Usando PVsyst”que ocorrerá no dia 25 de agostoNele, os interessados aprenderão a projetar sistemas fotovoltaicos em 3D com a utilização do software PVsyst (versão demo), que pode ser baixado neste link. No programa de computador, os participantes irão trabalhar sombreamento, projeção em telhados, lajes, estacionamentos, além de estudarem a viabilidade financeira do sistema proposto. Para participar desse módulo, o valor da inscrição é de R$ R$ 400,00 à vista, mas também pode ser paga em duas vezes de R$ 250,00 ou então em três vezes de R$ 166,70. É preciso que o aluno traga seu notebook com o software instalado, de preferência, a última versão.

Cada curso conta com 100 vagas disponíveis. As aulas serão ministradas no Anfiteatro Armando Toshio Natsume do SEL pelo professor Elmer Cari, do Departamento, pelo mestrando em engenharia elétrica da EESC Francisco Lemes, bem como por monitores de graduação e pós-graduação. Os participantes poderão acompanhar na prática os conteúdos ministrados, isso porque o professor Elmer coordenou o projeto que levou à instalação do primeiro sistema fotovoltaico da USP em São Carlos, localizado na cobertura de um dos prédios do SEL e que será utilizado como demonstrativo aos alunos. O sistema projetado pelo docente faz parte de sua pesquisa relacionada à estimação de parâmetros e previsão de potência em usinas fotovoltaicas.

Simultaneamente, o especialista também coordena a instalação da garagem solar fotovoltaica no estacionamento do Departamento, além do estudo “Projeto de Instalação e viabilidade econômica de sistemas fotovoltaicos nas áreas I e II da USP em São Carlos”. A pesquisa trata de localizar os melhores pontos para a instalação de sistemas fotovoltaicos, dimensioná-los utilizando o software PVsyst, obter um orçamento completo do projeto e realizar um estudo de retorno do investimento considerando, inclusive, a manutenção.

 

Texto: Assessoria de Comunicação do SEL/USP

Mais Informações
Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação (SEL)
Telefones: (16) 3373-8275 ou (16) 3373-9337
Whatsapp: (16) 9 8244-6316
E-mail: cursosolar@eesc.usp.br
Site do curso: www.sel.eesc.usp.br/cursosolar/

Tecnologia mais fina que um fio de cabelo gera hologramas com mais qualidade

Tecnologia mais fina que um fio de cabelo gera hologramas com mais qualidade

Criada na USP em São Carlos, nanoestrutura feita de silício cristalino projeta imagens mais definidas, tridimensionais e sem “fantasmas”

Pequeno quadrado circulado na primeira imagem corresponde a uma das metassuperfícies fabricadas, a qual é composta por inúmeros nano postes de silício, como pode ser observado na figura do meio. A última coluna exibe peças de xadrez reconstruídas com a nova tecnologia. Foto: Augusto Martins

Você sabe qual o tamanho de um nanômetro? Não? Então considere o diâmetro de um fio de cabelo como referência. Acha que agora está próximo? Calma, ainda precisamos diminuir um pouco mais. Que tal então tomarmos como base uma célula humana? Sinto informar, mas ainda não é o suficiente. Está bem, chega de mistério! Um nanômetro é o equivalente a um bilionésimo de metro, ou se preferir, o mesmo que um milímetro dividido por um milhão. Realmente minúsculo, não é mesmo? Apesar de serem microscópicas, estruturas em escala nanométrica estão presentes em nossa rotina dispostas a nos oferecer uma série de aplicações. A próxima delas, inclusive, pode ser a tecnologia desenvolvida por pesquisadores da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP capaz de gerar hologramas com mais qualidade. Produzidas à base de silício em sua forma cristalina, novas nanoestruturas transmitem com maior intensidade o laser que incide em sua superfície, resultando em imagens mais definidas, tridimensionais e sem os chamados “fantasmas”.

Metassuperfície formada por centenas de nanoestruturas em formato cilíndrico. Foto: Augusto Martins

Inédita no mundo, a aplicação foi criada pelo Grupo de Metamateriais, Microondas e Óptica (GMETA) do Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação (SEL) da EESC. Na pesquisa, os cientistas projetaram alguns conjuntos de nanoestruturas, chamados de metassuperfícies, a fim de controlar as propriedades da luz. “Uma tendência marcante no mercado tecnológico é a miniaturização dos dispositivos para torná-los cada vez mais compactos, mas sem comprometer seu desempenho. Basta ver a evolução dos celulares, notebooks e televisores ao longo dos anos, que estão ficando cada vez mais finos e eficientes em suas funções”, explica Augusto Martins, doutorando da EESC e um dos autores do trabalho. Segundo ele, a versatilidade e a fácil integração a outras tecnologias são algumas das principais vantagens de miniaturizar dispositivos.

Pelo fato de absorver menos luz em comparação a outros materiais utilizados em holografia, como o silício policristalino e o silício amorfo, o silício cristalino, escolhido pelos pesquisadores para a produção das metassuperfícies, possibilita a transmissão da luz do laser de forma mais intensa. “Tais estruturas devem ser energeticamente eficientes, ou seja, a maior parte da luz que incide sobre elas deve ser convertida de forma útil nas aplicações para as quais foram desenvolvidas”, reitera Augusto, que testou sua tecnologia projetando peças de xadrez holográficas.

Holograma obtido durante o trabalho na USP. Por absorver menos a luz, silício cristalino transmite laser com mais intensidade. Foto: Augusto Martins

Dois em um – Uma das metassuperfícies produzidas pelos pesquisadores trouxe outro diferencial ao trabalho: a possibilidade de observar hologramas em três dimensões. Para que isso fosse possível, foram projetadas nanoestruturas capazes de codificar dois hologramas simultaneamente, nas quais Augusto aplicou a técnica de estereoscopia, responsável por proporcionar a sensação de profundidade em vídeos e imagens, obtida a partir do uso de óculos especiais. “Essa projeção, chamada de estereograma, pode ser vista a partir da sobreposição de duas fotos de uma mesma cena, gravadas com câmeras adjacentes”, afirma o doutorando, que projetou figuras de pequenos aviões para validar o método.

Segundo o professor Ben-Hur Viana Borges, docente do SEL e um dos orientadores da pesquisa, as metassuperfícies são objeto recente de estudo dos pesquisadores de todo o mundo e prometem revolucionar o cenário tecnológico tanto em aplicações ópticas quanto de micro-ondas. Ele explica que a tecnologia pode ser utilizada em diversas áreas, como entretenimento, produção de lentes e até mesmo em segurança de informação. “Do ponto de vista tecnológico, nosso trabalho resultou em avanços significativos que tornam a integração dessa tecnologia no mercado cada vez mais próxima”, completa o professor.

Estereograma permite observação de imagens em três dimensões. Efeito acontece quando há a sobreposição de duas fotos de uma mesma cena capturadas com câmeras adjacentes. Foto: Augusto Martins

Intitulado Broadband c-Si metasurfaces with polarization control at visible wavelengths: applications to 3D stereoscopic holography, o trabalho foi destaque em publicação da Optical Society of America (OSA), importante entidade científica norte-americana que divulga pesquisas da área de óptica e fotônica. Além de Ben-Hur, o estudo foi orientado pelo professor Emiliano R. Martins do SEL e ainda contou com a colaboração dos pesquisadores Juntao Li, Achiles da Mota, Vinicius Pepino, Yin Wang, Luiz G. Neto e Fernando Teixeira. A pesquisa foi financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

Texto: Henrique Fontes – Assessoria de Comunicação do SEL/USP

 

Mais Informações
Assessoria de Comunicação do SEL/USP
Telefone: (16) 3373-8740
E-mail: comunica.sel@usp.br

Pesquisador desenvolve técnicas mais eficientes de reconhecimento facial

Pesquisador desenvolve técnicas mais eficientes de reconhecimento facial

Além de serem mais baratas, tecnologias criadas na EESC identificam pessoas com disfarces, expressões diferentes e em ambientes diversos

Algoritmos desenvolvidos na EESC identificam pessoas em diferentes ângulos, com expressões diversas e utilizando inúmeros acessórios. Foto: Adaptação de LFW Face Database

Novas técnicas de reconhecimento facial desenvolvidas na USP prometem trazer grandes avanços no processo de identificação de pessoas. Além de proporcionarem imagens mais definidas a um custo menor, as tecnologias criadas por Alex Affonso, doutor pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), são capazes de identificar possíveis suspeitos mesmo que eles estejam mais velhos, em poses e locais variados, utilizando disfarces, acessórios, como óculos de sol, e até mesmo em movimento.

Segundo o pesquisador, os métodos podem ser aplicados em diversos ambientes, que vão desde academias e shoppings que desejam fazer o simples monitoramento de uma catraca, até aeroportos, onde a Polícia Federal realiza o controle de imigração para evitar eventuais planos terroristas. Para o especialista, o principal desafio de seu trabalho foi justamente considerar todas essas variáveis, já que em outros estudos nacionais as imagens utilizadas para análise foram registradas em estúdios, ou seja, locais em que as condições de iluminação, ângulo, posição da câmera e expressão facial são mantidas estáticas. “Esses parâmetros não representam o mundo real”, afirma.

Com o intuito de identificar pessoas em diferentes cenários e situações, o ex-aluno da USP desenvolveu em seu doutorado uma série de algoritmos – comandos passados a um computador a fim de determinar uma tarefa. O primeiro deles tem a função de “limpar” as imperfeições da imagem capturada e realçar alguns traços da face do indivíduo. Depois, entra em cena um segundo algoritmo, responsável por localizar o centro dos olhos e a ponta do nariz, características essenciais para o reconhecimento. A partir dessa identificação, outra técnica computacional extrai uma espécie de “assinatura” da pessoa, a qual permite que ela seja reconhecida.

Alex Affonso (à esquerda) e Evandro Rodrigues desenvolveram sistema mais eficiente de reconhecimento facial. Foto: Henrique Fontes/SEL-USP

Para testar seus algoritmos, o pesquisador analisou um grande banco de imagens da Universidade de Massachusetts, dos EUA, que conta com fotografias de milhares de indivíduos, entre eles, artistas internacionalmente conhecidos. No repositório, eles aparecem em atividades do dia a dia, com diversas expressões faciais, variedade de acessórios e em inúmeros ângulos. Apesar da difícil tarefa de identificá-los, os índices de acerto chegaram a 96,8%.

“No mercado brasileiro, não existem produtos que reconheçam pessoas em diferentes situações e sem a necessidade de supercomputadores. Grande parte da tecnologia que utilizamos no País para essa aplicação é importada”, explica Evandro Luis Linhari Rodrigues, professor aposentado do Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação (SEL) da EESC e orientador de Alex durante o doutorado.

Por se tratar de uma solução nacional, as técnicas desenvolvidas pelo autor do trabalho são mais baratas que as do exterior. No entanto, os valores mais elevados fora do Brasil não são as únicas preocupações dos cientistas: “Nós fornecemos para outras nações dados de nossa população, que são informações muito sensíveis. Não temos nenhum controle sobre o que pode ser feito com esses dados”, alerta Alex, que espera atrair empresas brasileiras para produzir suas tecnologias.

Apesar de muito semelhantes, pares de imagens exibem pessoas diferentes. Foto: Adaptação de LFW Face Database

Intitulada “Reconhecimento facial em ambientes não controlados por meio do High-boost Weber Descriptor na região periocular, a pesquisa foi defendida no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica da EESC e gerou um importante artigo que foi publicado na Pattern Recognition Letters, revista holandesa com qualificação A1, a mais elevada no meio científico.

 

Texto: Henrique Fontes – Assessoria de Comunicação do SEL/USP

 

Mais Informações
Assessoria de Comunicação do SEL/USP
Telefone: (16) 3373-8740
E-mail: comunica.sel@usp.br

Pesquisa quer aumentar eficiência de caminhões autônomos

Pesquisa quer aumentar eficiência de caminhões autônomos

Caminhão autônomo está sendo utilizado em pesquisas da USP São Carlos. Foto: Paulo Arias

Suponha que você trabalha como caminhoneiro e está subindo a serra para realizar uma entrega de rotina. De repente, ao reduzir a velocidade, sente o veículo pular, comum quando trocamos a marcha no momento errado. Além de ser um instante de desconforto para o motorista, esse simples deslize pode gerar um maior consumo de combustível. Se você tiver um caminhão comum, prestar mais atenção ao dirigir pode ser o bastante para evitar esse tipo de incidente, mas e se o mesmo veículo possuísse câmbio automático e fosse autônomo? Será que ele conseguiria atuar de forma precisa? Se depender de uma pesquisa em andamento da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP, esse cenário de incerteza não será mais problema.

Autor do trabalho e doutorando do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica da EESC, Lucas Barbosa explica que os freios e aceleradores de um caminhão sem motorista não “compreendem” a função dos câmbios automáticos, fator que dificulta o controle do veículo. Por isso que, por meio de técnicas matemáticas, o estudante está desenvolvendo um algoritmo para que os pedais do caminhão considerem a probabilidade de as marchas serem trocadas conforme sua velocidade aumenta ou diminui.

“Minha técnica ‘ensina’ aos freios e aceleradores como se comporta um câmbio automático. Com isso, além de o motorista ter uma viagem muito mais tranquila, o caminhão ainda economiza combustível, pois seu motor não será forçado de forma desnecessária”, diz o pesquisador. Até o momento, Lucas testou seu algoritmo em um caminhão autônomo real na área 2 do Campus da USP em São Carlos, percorrendo um pequeno trajeto. A expectativa é de que o estudo seja finalizado em até dois anos.

Lucas Barbosa pretende finalizar seu trabalho em dois anos. Foto: Henrique Fontes/InSAC

A pesquisa recebe a orientação do professor Marco Henrique Terra, coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Sistemas Autônomos Cooperativos (InSAC), sediado no Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação (SEL) da EESC, onde ele é docente.

 

Texto: Assessoria de Comunicação do InSAC

 

Mais Informações
Assessoria de Comunicação do InSAC
Telefone: (16) 3373-8740
E-mail: comunica.insac@usp.br

 

 

Grupo de robôs poderá cumprir tarefas mesmo se comunicação entre eles falhar

Grupo de robôs poderá cumprir tarefas mesmo se comunicação entre eles falhar

João Roberto está desenvolvendo sua pesquisa na área de sistemas de controle. Foto: Henrique Fontes/InSAC

Um incêndio de grandes proporções toma conta de uma floresta próxima a uma área urbana. Por se tratar de uma local de difícil acesso, as autoridades de resgate acionam um grupo de drones autônomos para procurar possíveis vítimas no local, mas uma situação inesperada acontece: problemas na rede de comunicação impedem que os robôs aéreos conversem entre si, fazendo com que eles não cumpram o que foi programado. Apesar de o apreensivo cenário retratado ser hipotético, ele não é impossível de ocorrer, segundo os estudiosos da área de robótica coletiva. Por isso, uma pesquisa em andamento na Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP pretende contribuir para que missões como essa sejam realizadas com sucesso pelas máquinas.

O estudo é de João Roberto Benevides, doutorando do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica da EESC. De acordo com o pesquisador, quando há troca de informações entre um grupo de robôs, sejam eles aéreos ou terrestres, a rede de comunicação que os alimenta é passível de falhas, podendo gerar problemas como atrasos na transmissão de dados ou até mesmo quebra de sinal.

“Muitas vezes não consideramos a comunicação como um elemento que possa nos trazer prejuízo, mas sabemos que falhas irão acontecer. No entanto, para criarmos alternativas que auxiliem os robôs a lidarem com essas situações, precisamos entender como eles se comportariam em um cenário de adversidade”, explica o estudante, que recebe orientação do professor Marco Henrique Terra, coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Sistemas Autônomos Cooperativos (InSAC), sediado no Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação (SEL) da EESC.

No trabalho, a ideia é desenvolver técnicas de controle capazes de preparar seis quadricópteros autônomos – um tipo de veículo aéreo não tripulado – para completar tarefas mesmo em caso de problemas nos serviços de comunicação. Durante as próximas fases da pesquisa, João Roberto fará novos testes em laboratório e em áreas externas a fim de validar os métodos propostos. A expectativa é de que os resultados sirvam de alicerce para que drones realizem missões nos mais diversos campos, como agricultura de precisão, entregas remotas, segurança, entre outros. Além do InSAC, o trabalho recebe o financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Confira no vídeo abaixo uma demonstração dos testes que estão sendo realizados na USP.

Texto – Assessoria de Comunicação do InSAC

 

Mais Informações
Assessoria de Comunicação do InSAC
Telefone: (16) 3373-8740
E-mail: comunica.insac@usp.br

Exposição retrata cotidiano de trabalhadores rurais do interior de SP

Exposição retrata cotidiano de trabalhadores rurais do interior de SP

Foto: Antonio Mozeto

A exposição fotográfica “Rurais”, de Antonio Mozeto, estará em exibição até o dia 10 de junho no Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação (SEL) da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP. O objetivo da mostra é representar o cotidiano de trabalhadores rurais de cidades do interior do Estado de São Paulo. São cerca de 30 imagens que podem ser apreciadas gratuitamente, de segunda a sexta-feira, das 8 às 18 horas.

“Esse projeto é um tributo aos inúmeros e incansáveis ​​trabalhadores rurais que se dedicam arduamente ao trabalho diário de produzir os alimentos que chegam às nossas mesas”, explica Antonio. Segundo o autor da exposição, suas fotografias representam a forma alegre e poética como esses profissionais do campo desempenham suas funções, consideradas cruéis e sofridas por parcela da sociedade.

Aberta ao público, a exposição promoverá uma roda de conversa com o fotógrafo durante sua abertura oficial, agendada para a próxima quinta-feira (9), a partir das 19h30, no Museu da Engenharia Elétrica, local onde as imagens serão exibidas. O SEL está localizado na Área 1 do campus da USP em São Carlos, que fica na Avenida Trabalhador São-carlense, 400.

Foto: Antonio Mozeto

A mostra é realizada no âmbito do Projeto Arte no Caminho, idealizado pelo SEL, com apoio do Centro Cultural da Prefeitura do Campus USP de São Carlos (PUSP-SC), da Comissão de Cultura e Extensão Universitária (CCEx) da EESC e do Grupo Coordenador das Atividades de Cultura e Extensão Universitária do campus São Carlos da USP (GCACEx).

Este evento está no Entreartes, aplicativo gratuito criado pela USP que fornece informações sobre as atividades culturais oferecidas pela Universidade por meio de um QR Code e permite que os usuários acumulem pontos, trocando por brindes ou horas em Atividades Acadêmicas Complementares (AAC).  

 

Texto: Assessoria de Comunicação do SEL/USP
Com informações de Centro Cultural da USP

 

Mais Informações
Centro Cultural da USP
Telefone: (16) 3373-8027
E-mail: cultura@usp.br

Sistema inédito pode ajudar empresas a avaliar desempenho de plantações a distância


Sistema inédito pode ajudar empresas a avaliar desempenho de plantações a distância

Desenvolvido em maratona da USP São Carlos, protótipo analisa desenvolvimento de vegetais simulando condições do meio ambiente

“bitHarvest” foi o grupo campeão da SancaThon 2019.

Imagine que você é um empresário do ramo agrícola que comprou terras aráveis em diferentes locais do Brasil para avaliar como a sua nova plantação irá se desenvolver. Devido ao alto investimento feito nas propriedades e na manutenção de mão de obra, surge a pergunta: será possível obter os resultados dessa atividade de modo mais barato e eficiente? A resposta não é tão simples, tendo em vista o grande número de variáveis agroclimáticas existentes, como temperatura, condições de solo, umidade e iluminação, que devem ser medidas em regiões distintas. No entanto, esse cenário poderá ser otimizado se depender de um sistema inédito criado na maratona tecnológica SancaThon, realizada na Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP, entre os dias 5 e 7 de abril.

A solução desenvolvida propõe simular, de forma virtual, diferentes cenários do meio ambiente para analisar o desempenho de vegetais em determinado local. Utilizando técnicas de visão computacional, a tecnologia avalia o desenvolvimento fenotípico das plantas a partir de dados informados pelo usuário, como a cultura a ser produzida e as características do local onde ele pretende plantá-la. “O grande diferencial é que nosso cliente poderá simular condições de campo de forma remota” explica Júlia Silva Morosini, engenheira agrônoma formada pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP.

Composto por hardware e softwares, o novo sistema será programado para fazer as simulações na nuvem e a ideia dos desenvolvedores é acrescentar sensores ao protótipo para que ele analise as métricas necessárias. Júlia afirma que ainda não existem soluções com essa proposta e, de acordo com seu companheiro de empreendimento, Fernando Garcia Espolador, também formado em Engenharia Agronômica pela Esalq, a solução pode ser aplicada a qualquer tipo de plantação, mas o foco inicial será nas hortícolas e anuais, como trigo, milho, soja e algodão. Ainda em fase de prototipagem, o equipamento não possui previsão para ser lançado e aguarda investimentos para dar continuidade a sua produção.

Sistema simula condições ambientais para avaliar desempenho de plantações em diferentes locais.

Além de Julia e Fernando, são responsáveis pela criação da nova tecnologia Carlos Henrique Cunha e Iago Elias Barbosa, ambos estudantes de Engenharia de Computação da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Todos eles compõem o “bitHarvest”, grupo que conquistou o primeiro lugar na SancaThon. Os vencedores receberam como prêmio R$ 1 mil, um kit de hardware da Toradex, um tour na empresa Oracle em São Paulo, US$ 5 mil em créditos na Oracle Cloud, convites para o Simpósio Nacional de Instrumentação Agropecuária (SIAGRO) 2019, evento promovido pela Embrapa, e a pré-incubação no Espaço EngComp – ambiente maker sediado na USP – com orientação do Centro Avançado EESC para Apoio à Inovação (EESCin).

Desafio Agro – A SancaThon 2019 teve como tema “Future Farms” (Fazendas do Futuro) e recebeu cerca de 70 participantes, vindos de diversas universidades e instituições, que tiveram 32 horas para desenvolver tecnologias voltadas à Agricultura 4.0. “O Brasil é um país com imenso potencial agrícola, mas que ainda apresenta muitos problemas nesse universo. A possibilidade de gerar, através do evento, uma massa crítica apta a pensar em soluções para o ramo é fantástica”, afirma Débora Milori, pesquisadora da Embrapa Instrumentação e uma das juradas da iniciativa.

Para o professor Daniel Magalhães, diretor do EESCin, a experiência obtida pelos participantes da SancaThon vai além das 32 horas de competição: “Quando eles estiverem no mercado, será natural encontrarem esse tipo de maratona nas grandes empresas de tecnologia, pois é comum que elas recebam demandas de última hora e tenham que apresentar um protótipo em um curto espaço de tempo”, afirma o docente, que foi um dos mentores da competição realizada na Biblioteca da EESC “Prof. Dr. Sérgio Rodrigues Fontes”.

Quem concorda com Daniel é o aluno de Engenharia de Computação da EESC, João Marco Barros. Segundo o estudante, a USP fomenta, por meio de iniciativas como a SancaThon, a inovação entre os jovens graduandos, além de aproximá-los das instituições privadas.  “É muito bom ter uma visão empreendedora do problema e trabalhar com ferramentas que poderão fazer parte do nosso dia a dia no futuro”, explica o aluno que na maratona representou a Comissão Organizadora Discente do Desafio, constituída pelo Núcleo de Empreendedorismo da USP São Carlos (NEU-SC) e pelas Semanas de Integração da Engenharia Elétrica (SIEEL) e da Engenharia de Computação (SenC).

Competidores tiveram 32 horas para desenvolver soluções tecnológicas para a agricultura.

Realizada pelo segundo ano consecutivo, a SancaThon passou por algumas mudanças com relação às regras do ano passado. Em 2018, os kits de hardware distribuídos aos participantes para que eles desenvolvessem seus protótipos eram todos idênticos, já em 2019, os competidores puderam personalizar suas placas eletrônicas de acordo com a sua necessidade ou demanda. Para isso, eles receberam da Toradex diversas opções de sensores, displays e componentes, além de terem acesso à Oracle Cloud para gestão dos dados.

Mais uma vez, diversos trabalhos foram destaque no evento, como o do grupo “Caipirabot”, que ficou com o segundo lugar na competição ao propor um sistema inteligente para pesagem de aves de forma prática, simples e automática. Na equipe idealizadora do projeto estavam Jadson Monteiro Oliveira e Leonardo Pereira Moraes, ambos alunos do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC), Leonardo Hiraiwa da EESC, Maria Octávia de Carvalho do Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM) e Thales Carvalho Manarin, estudante da UFSCar. O grupo foi premiado com R$ 500,00, convites para a SIAGRO, viagem para a Oracle em São Paulo, US$ 5.000 dólares em créditos na Oracle Cloud, um kit de hardware Toradex e a pré-Incubação no Espaço EngComp com orientação EESCIn.

Na terceira colocação ficou o projeto “SoyPrev”, no qual foi desenvolvida uma solução para monitorar a presença de esporos em plantações de soja, a fim de auxiliar o produtor na tomada de decisão. Entre os objetivos da tecnologia, está reduzir o desperdício de água e evitar a aplicação desnecessária de fungicidas. O grupo que criou essa tecnologia foi composto por Ranielle Lucio Trindade, Paulo Victor Vieira da Silva, Hélio Hugo Faganelli Martins, Pedro Calori Badini e André Cardoso Truchlaeff, todos estudantes da EESC. Eles ganharam convites para a SIAGRO, um kit de hardware Toradex e a Pré-Incubação no Espaço EngComp.

Participantes receberam kits de hardware da Toradex para criarem seus protótipos.

A edição desse ano da SancaThon contou com 14 grupos participantes, número maior do que o registrado em 2018, quando os desafiados foram divididos em nove equipes. Todos os competidores tiveram três minutos para apresentar seus trabalhos e outros cinco para responder a perguntas dos jurados. Além de Débora Milori, fizeram parte da banca avaliadora: Alessandra Silva, líder de Infraestrutura da América Latina da Cargill; Alexandre Nakahara, diretor de soluções e analise em ciência de dados da América latina da Oracle; Danilo Augusto Bomfim, gerente de marketing e vendas da mineração Jundu; Guilherme Fernandes, diretor da Toradex Brasil; Guilherme Panes, supervisor em tecnologia e inovação emergente da Jacto; Marco Righetti, diretor de tecnologia e inovação da américa latina da Oracle; Moacyr Luis Milanez, diretor da Agricorte representado a CIESP São Carlos e Thalita Braga, CEO da Gaia GreenTech.

A SancaThon é realizada em conjunto pela EESC, Espaço EngComp (parceria entre EESC e ICMC), NEU-SC, SEnC e SIEEL. A iniciativa contou ainda com o apoio da Pró-Reitoria de Graduação (PRG) e de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU) da USP, Embrapa, Toradex, Cargill, Oracle, Jacto, AgTechGarage, ABStartups, Gaia, Alura, Delivery Much, Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP) – Núcleo São Carlos, Semana da Engenharia Mecatrônica (Sematron) e das Secretarias Acadêmicas da Engenharia Mecânica (Sameca), Engenharia de Computação (Saecomp) e Engenharia Mecatrônica (Sadem).

 

Texto: Henrique Fontes – Assessoria de Comunicação do SEL/USP
Fotos: Douglas Reginaldo – Assessoria de Comunicação do SEL/USP

 

 Mais informações
Assessoria de Comunicação do SEL/USP
Telefone: (16) 3373-8740
E-mail: comunica.sel@usp.br

Amigos constroem o próprio instrumento para compor música eletrônica

Amigos constroem o próprio instrumento para compor música eletrônica

Criado em disciplina de inovação da USP, projeto virou startup e agora será acelerado nos Estados Unidos

Protótipo, que possui 12 botões para dar o tom das notas musicais, é composto por um chip e diversos componentes eletrônicos. Foto: Henrique Fontes – SEL/USP

Assim como todo estudante de graduação, Cristiano Lacerda e Rodrigo Guskuma ingressaram na USP em São Carlos em busca do tão sonhado diploma universitário. Mas, o que eles não imaginavam é que durante a jornada uma nova paixão surgiria para embalar os rumos da carreira de cada um: a música eletrônica. Com pouco dinheiro para investir, mas compartilhando sonhos em comum, os dois amigos resolveram usar seus conhecimentos para construir um protótipo de controlador MIDI (Musical Instrument Digital Interface), equipamento utilizado por DJs para compor músicas por meio de comandos enviados ao computador. O projeto empreendedor levou à criação da Ginga, startup que recentemente foi selecionada para passar por um processo de aceleração nos Estados Unidos.

A ideia de transformar o aparelho eletrônico em uma empresa de tecnologia amadureceu quando os jovens se matricularam na disciplina Oficina de Inovação da USP, cujo objetivo é incentivar a capacidade empreendedora dos estudantes a partir das orientações de docentes da Universidade. “Nós aprendemos a desenvolver toda a estrutura de negócio do equipamento, a pensar no público-alvo, local de venda apropriado, se o produto seria disponibilizado on-line ou off-line, entre outros tópicos”, conta Rodrigo, engenheiro eletricista formado pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC). Ao final da atividade, que durou um semestre, a Ginga foi eleita pelos professores como o melhor projeto da disciplina, que é promovida pelo Centro Avançado EESC para Apoio à Inovação (EESCin), com colaboração da Agência USP de Inovação.

Rodrigo atua como DJ amador em algumas festas universitárias. Foto: IndieClick

Composto por um chip e diversos componentes eletrônicos acoplados a uma estrutura de acrílico, o controlador MIDI possui 12 botões que dão o tom das notas tocadas pelos criadores. “A música eletrônica explodiu no Brasil com o surgimento de grandes artistas, como Alok, Vintage Culture, entre outros. Por isso, a tendência é que muita gente comece a trabalhar com esse tipo de gênero no País. Estamos nos antecipando a um fenômeno em potencial”, explica Cristiano, aluno do curso de Sistemas de Informação, oferecido pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC).

O entrosamento musical da dupla de amigos começou no Grupo de Som do Centro Acadêmico Armando de Salles Oliveira (CAASO), onde fizeram parte, voluntariamente, da equipe que planejava a estrutura sonora de algumas festas universitárias. Quem observa a grande dedicação dos jovens pode até pensar que o interesse dos empreendedores pelo universo da música eletrônica é antigo. Mas não é. As portas do gênero musical se abriram a Rodrigo, por exemplo, apenas quando ele entrou na USP, e o ex-aluno, que sempre gostou de rock e cresceu em uma família de músicos, se encantou por um estilo que até então lhe era desconhecido: “Comecei a frequentar festas que tocavam música eletrônica e ficava curioso em saber como os DJs conseguiam juntar uma canção na outra e não deixavam o som parar”, relembra o engenheiro que hoje se apresenta em alguns eventos como DJ amador.

Cristiano está estudando empreendedorismo na Universidade da Califórnia, em Berkeley. Foto: Arquivo pessoal

Pisando em terras desconhecidas – Terreno ainda pouco familiar aos jovens, o mercado deve colaborar para a inserção da Ginga nas prateleiras, segundo seus idealizadores. Rodrigo afirma que, no Brasil, a produção de aparelhos de música eletrônica é escassa, o que, praticamente, obriga os interessados a importarem produtos do exterior, que são bem mais caros. Diante desse cenário, a Ginga seria uma alternativa mais viável. “Nossa ideia é vender a um preço de 20 a 30% menor que os importados”, diz o ex-aluno da EESC.

Focados na missão de consolidar a empresa como uma plataforma competitiva no mercado, os jovens já vislumbram o cenário ideal para o futuro: “Queremos, um dia, tornar a Ginga popular no Brasil, fazer com que as pessoas se lembrem dela sempre que questionadas sobre qual equipamento devem comprar. O maior reconhecimento seria encontrar nosso aparelho ao lado de um violão em uma loja de instrumentos musicais”, conta Cristiano que tem como grande ídolo e inspirador o DJ britânico Burial.

Além de possuir tecnologia nacional e ser mais barato, outro grande diferencial do equipamento eletrônico é o código de seu chip que, segundo os estudantes, é mais eficaz se comparado aos de alguns concorrentes. Para definir a melhor estratégia de vendas, porém, o planejamento de marketing é indispensável e, por isso, os empreendedores já estão pensando em formas de atuação para atingir seu público-alvo: “Teremos um relacionamento muito próximo com nossos clientes; vamos priorizar ações com aqueles que estão começando na área de música eletrônica”, explica o estudante.

Startup Ginga foi escolhida como o melhor projeto da disciplina Oficina de Inovação da USP. Foto: Arquivo pessoal.

A chance de emplacar – Em oportunidade oferecida pela Agência USP de Inovação, Cristiano foi escolhido para participar de um intercâmbio sobre empreendedorismo focado em startups na Universidade da Califórnia, em Berkeley, nos Estados Unidos, onde deve permanecer até a metade de 2019. A instituição possui uma parceria com o estúdio de inovação Schoolab de Paris, responsável pelo programa Le Bridge, que visa acelerar projetos inovadores, como a Ginga, selecionada em outubro para integrar a iniciativa. De janeiro a abril do próximo ano, o aluno do ICMC participará de cursos, workshops, eletivas, visistas a incubadoras, dentre outras atividades para aprimorar os serviços da starup musical.

Parece que o caminho do sucesso já começou a ser desenhado para os jovens que se conheceram na USP, mas a dedicação promete não diminuir. “A Ginga é o hobby dos meus sonhos. Muita gente falou que eu era doido por entrar nessa área, mas segui em frente. Se você está disposto a correr atrás e perder algumas noites de sono, com certeza valerá a pena. Hoje, consigo unir minhas duas paixões: a música e a engenharia elétrica,” declara Rodrigo.

Ex-aluno da EESC se encantou pela música eletrônica após ingressar na Universidade. Foto: Arquivo pessoal

Atualmente, o equipamento de música eletrônica desenvolvido pelos jovens passa por melhorias. A ideia é definir um novo design, ampliar o número de botões do aparelho para 16, acrescentar um display LCD, luzes, entre outros recursos. “Esperamos que a nossa história sirva de inspiração para quem sonha empreender. É um ramo com muitas oportunidades no Brasil e no exterior, ainda mais para os que estudam em uma instituição como a USP”, finaliza Cristiano.

Sobre a Oficina de Inovação –  Abordando conteúdos que apoiam a inovação e o empreendedorismo, a atividade é oferecida em forma de disciplina optativa aos alunos de todos os cursos da USP São Carlos. Os temas trabalhados na disciplina envolvem tópicos como definição de inovação em produtos e serviços; necessidades e comportamento dos usuários; técnicas de criação de ideias; definição de mercados; rotas tecnológicas; noções de propriedade intelectual; inovação aberta; capital de risco e técnicas de ‘pitch’.

A expectativa é de que a Oficina aconteça anualmente abrangendo áreas que atendam às demandas emergenciais da sociedade. Ao final da disciplina, os projetos estão habilitados a serem apresentados em eventos de inovação no Brasil e no exterior.

 

Texto: Henrique Fontes – Assessoria de Comunicação do SEL/USP

 

Mais informações
Assessoria de Comunicação do SEL
Telefone: (16) 3373-8740
E-mail: comunica.sel@usp.br